quarta-feira, 19 de outubro de 2011

5 DE NOVEMBRO.... DIA DA CULTURA BRASILEIRA




    cultura brasileira é tão diversa que não se pode falar dela em apenas um dia. Apesar disso, hoje foi escolhido para festejarmos as manifestações culturais de norte a sul e de leste a oeste.
   O Brasil, como todos já sabem, é um país de formação multi-racial e por isso carrega um pouco do costume de cada povo que aqui veio morar. Dos negros, herdamos o candomblé, a capoeira, parte do nosso vocabulário e muito do nosso folclore. Dos índios, herdamos o artesanato, a pintura, comidas exóticas como o peixe na folha da bananeira e a rede. Do português, ficamos com o costume católico, a língua, as roupas.
   Essa mistura toda não se deu de maneira pacífica, mas sim por meio da dominação cultural e da escravização de índios e negros. No entanto, características culturais de ambas etnias sobreviveram ao tempo e hoje compõe uma enorme riqueza cultural. Alguns estudiosos, como o escritor Sérgio Buarque de Holanda, acreditam que o fato de outras culturas permearem a cultura brasileira nos tornou “desterrados em nossa própria terra”. O movimento modernista da década de 20 mostrou a idéia de intelectuais que sentiam falta de um caráter estritamente nacional e que importava modelos sócio-culturais. O escritor Mário de Andrade construiu o personagem “Macunaíma” para retratar isso.
    Independente da existência ou não de uma identidade nacional, o fato é que temos muito que comemorar hoje. Os costumes do povo brasileiro, seu folclore, suas comidas e suas músicas são neste sentido, grandes representantes das peculiaridades da cultura do país.
Folclore
   O folclore brasileiro é recheado de lendas e mitos como o Saci-pererê, um menino de uma perna só que mora na floresta, usa um gorro vermelho e fuma cachimbo. Uma de suas travessuras mais comuns é emaranhar a crina dos cavalos de viajantes que acampam na floresta. Seu nome vem do tupi-guarani. Outras lendas como a da Mula-sem-cabeça, do Curupira, Iara Mãe D’Água, Boi Tatá, o Negrinho do Pastoreio e do Boto cor de rosa também são bastante conhecidas.
Música
   A música estava presente no cotidiano do índio e do negro, relacionada tanto ao simples prazer quanto a rituais religiosos. As cantigas de roda infantis e as danças de quadrilhas são de origem francesa. Pela influência de vários povos e com a vinda de instrumentos estrangeiros (atabaques, violas, violão, reco-reco, cuíca e cavaquinho), inventamos o samba, o maracatu, o maxixe e o frevo. Inventamos também o axé, a moda de viola, que é a música do homem do interior, e o chorinho. Alguns movimentos musicais, como a Bossa Nova e a Tropicália, também foram importantes na formação musical brasileira.
Comida
   Assim como em outras instâncias da nossa cultura, o índio, o negro e o branco fizeram essa miscelânea que é nossa tradição culinária. Aprendemos a fazer a farinha de mandioca com os índios e dela fazemos a tapioca, o beiju e também o mingau. A feijoada é fruto da adaptação do negro às condições adversas da escravidão, pois era feita com a sobra das carnes. O azeite de dendê também é uma grande contribuição africana à nossa culinária, pois com ele fazemos o acarajé e o abará. Os portugueses nos ensinaram técnicas de agricultura e de criação de animais. Deles, herdamos o costume de ingerir carne de boi e porco, além de aprendermos a fabricar doces, conservas, queijos, defumados e bebidas.
Fonte: UFGNet
Dia Nacional da Cultura Brasileira
CULTURA E DIVERSIDADE
   O Brasil é um país cuja principal marca cultural é a mistura. Desde o começo de sua história, o país foi marcado pela presença de diferentes povos e culturas, fazendo com que sua formação tivesse grande diversidade e mistura. Aqui viviam povos indígenas, em tribos, com uma cultura guerreira, muito ligada à natureza; em 1500 chegaram os colonizadores portugueses, que trouxeram para cá a cultura européia, com uma forte influência moura. O uso do negro africano como escravo na colônia, trouxe ainda novas crenças, falas e costumes, que as poucos foram se misturando e integrando a cultura local.
   Posteriormente, com o fim da escravidão, diversos outros povos ainda vieram para o país, como italianos, japoneses e alemães, cada um acrescentando ao Brasil um novo detalhe cultural.
Com toda essa miscigenação de povos e culturas, não é de se estranhar que o Brasil tenha na sua língua, costumes, religião e manifestações culturais traços únicos, que podem se assemelhar a outras culturas do
mundo, mas que sempre tem seus detalhes particulares.
A Língua
  Apesar de aqui se falar o Português, Brasil e Portugal possuem algumas diferenças entre suas línguas. O português brasileiro traz a essência de Portugal, mas incorporou termos da fala das tribos indígenas e dos povos africanos.
   No início do período colonial, o número de índios era muito maior que o de portugueses, por isso, a língua Tupinamba, indígena, era a mais usada e dela derivou a língua geral, que era aqui usado até o início do século XVII. Quando os portugueses começaram efetivamente a ocupar o território brasileiro, o português passou a ser língua mais usada, mas já incorporando algumas palavras indígenas. Com o início do tráfico negreiro, detalhes das línguas africanas começaram a se misturar ao português.
  Hoje em dia, o português brasileiro é muito diferente do de Portugal e possui diversas alterações regionais, como o caipira (das regiões interioranas), o carioca (do Rio de Janeiro), o mineiro (de Minas Gerais), o gaúcho (do Rio Grande do Sul) e outros.
   Entre as palavras herdadas do tupi, destacam-se os nomes de pessoas, como Araci, Iara, nome de estados e formações naturais, como Ceará e Ipanaema, algumas doenças como catapora, e substantivos ligados à natureza, como mandioca e urupema.
Religião
   O Brasil é marcado por uma grande diversidade de religiões, assim como pela liberdade de escolha e pela tolerância. A maior parte da população, 60%, é católica, uma das maiores heranças de Portugal. Mas muitas outras religiões se manifestam por aqui. Mais recentemente, começou a se manifestar no país o espiritismo, e hoje o Brasil concentra o maior número de espíritas do Mundo. O protestantismo também possui muito espaço aqui, sendo a segunda religião em adeptos; caracteriza-se pela livre interpretação da bíblia e pela grande variedade de denominações e grupos.
  Também estão muito presentes as religiões afro-brasileiras, formadas por religiões trazidas da África pelos escravos e também pelo sincretismo de religiões. O candomblé é um exemplo, com cultos, cantos e danças sobreviventes da África Ocidental. Há também a Unbanda, um misto de candomblé, com catolicismo e espiritismo.
  Existem ainda manifestações de muitas outras religiões, vindas dos mais diversos lugares do mundo, como o islamismo, o judaísmo, o neopaganismo ou o mormonismo.
Arte
  Durante os primeiros séculos de colônia, a arte no Brasil estava intimamente ligada à portuguesa, com os movimentos artísticos europeus, como o renascimento, maneirismo, barroco, rococó e neoclassicismo.
  Mas mesmo neste período uns toques típicos da cultura que aqui se formavam já se manifestavam, um exemplo são as esculturas de Aleijadinho nas igrejas de Minas Gerais ou os anjos negros nas pinturas de Manuel da Costa Ataíde.
  No início do século XIX, as artes começam a ser ensinadas academicamente, e cada vez mais características nacionais, e nacionalistas, foram incorporadas, tendo como principal manifestação o romantismo, que exaltava as terras e o povo brasileiro.
  Até o século XX, as artes brasileiras acompanharam as correntes européias, colocando um pouco do Brasil nelas, passando assim pelo realismo, naturalismo, simbolismo e parnasianismo, e criando grandes nomes na literatura, na pintura, na música, na escultura.
  No século XX a arte no país renovou-se completamente, com o movimento Modernista, que quis criar uma arte genuinamente brasileira, buscando sua fonte na cultura popular. Esse movimento foi marcado pela Semana de Arte Moderna de 1922, quando seus principais trabalhos foram exibidos. Os artistas desta fase, como Villa Lobos, Tarsila do Amaral, Anita Malfatti e Di Cavalcante, são ainda grandes nomes da cultura brasileira.

  É claro que não se pode esquecer-se da cultura popular do país e de toda a arte que produz, seja na literatura, com histórias e contos folclóricos de origem indígenas; seja nas artes plásticas, com trabalhos em cerâmica; ou seja na música e na dança, onde deixa seus principais traços, criando ritmos e festivais únicos, como a bossa nova, o samba e o carnaval.
Fonte: www.fea.usp.br


EVENTO 2013 CICN´GOLO BRASIL MESTRANDA KODAK

ANIVERSÁRIO DE 3 ANOS CICN´GOLO BRASIL

Aniversário CICNGBRASIL 2 ANOS

CENTRO INTEGRADO DE CAPOEIRA N´GOLO BRASIL

O Centro Integrado de Capoeira N´Golo Brasil , foi fundada no dia 20 de Agosto de 2010 pela Contramestra Kodak , e apesar de ser um grupo novo, é um grupo que através de sua qualidade vem crescendo muito rapidamente. O grupo tem sua sede na cidade de São Gonçalo, no Rio de Janeiro, com o principal local de treino localizado na Rua Itaocara 56, Quadra do Piu POint em frente a Universo de São Gonçalo .As cordas (graduações) são compostos pelas cores da bandeira do Brasil, o nome "N´Golo " em homenagem a danças da zebras, um luta africana oriunda de angola e o símbolo foi uma criaçao da própria Contramestra kodak.



História do nome "Centro Integrado de Capoeira N´Golo Brasil":



A Origem .



Quando pensei em emancipar da da minha ex associação , pensei em varias coisas ,mas a primeira foi em ser integra e com isso, pensando em tudo que vivi e pesquisei na capoeira não queria copiar nada , mas ser capoeira em primeiro lugar e me veio a palavra N´Golo na cabeça.

N´Golo : Na África está luta... traduzida como “Dança as Zebras”. Luta que só era praticada por guerreiros , que tinha previlégio junto as lideres das tribos e sempre preferidos pelas mulheres na hora de casarem por ser os mais fortes e sadios. Ao serem trazidos os negros angolanos passaram a usar está luta não mais pra ser divertirem ,mas para se defender das atrocidades do homem branco.

Mas como já existem alguns grupos com esse nome , sejam angola ou regional decidi, colocar a palavra integrado , para ser mas completa , integral, completo ,inteiro,integralizar, fazer parte de um todo, tornar inteiro. Então com essa palavra fiquei mas segura do que realmente quero com minha capoeira, que é fazer com que ela seja uma só o mas contemporânea possível,não importando angola ou regional. E Depois veio a palavra centro que já diz por si só, ponto eqüidistante de todos os pontos, em torno, terreiro, posição política eqüidistante da direita ou esquerda.

Não queremos ser de nenhum lado e sim o centro de tudo na Capoeira.

Capoeira: por que somos capoeiristas .

E a palavra Brasil.....vem em homenagem a nosso País e sua Bandeira , por isso nosso quadro feito com as cores da nossa bandeira ..para a homenagem ser completa .

Enfim o nome : Centro integrado de capoeira N´GOLO BRASIL .



O objetivo do grupo é dar ênfase a filosofia de que a capoeira é uma unidade, obedecendo os fundamentos, as tradições e disciplinas nela contida. E deixar em aberto o caminho da criatividade, evolução e crescimento do capoeirista nas diversas áreas onde o Centro Integrado de Capoeira N´Golo Brasil.



Centro integrado de Capoeira N´Golo Brasil oferece, como a dança, a luta, o teatro, percussão instrumental, recreação e outros. Acima de tudo o respeito mútuo, afim de preservar a integridade física e moral de nossos adeptos.

CENTRO INTEGRADO DE CAPOEIRA N´GOLO BRASIL

CENTRO INTEGRADO DE CAPOEIRA N´GOLO BRASIL
CLIQUE NA IMAGEM SITE DO GRUPO

Clique na imagem

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

PROJETO MAIS EDUCAÇÃO E.M.ROTARY

PROJETO MAIS EDUCAÇÃO

PROJETO MAIS EDUCAÇÃO
E.M.PROFª MARLUCY SALLES DE ALMEIDA / E.M ANTONIO CARLOS JOBIM